Notícia: Modelo gaúcha presa na China chega ao Brasil e reencontra os pais em SC

Modelo gaúcha presa na China chega ao Brasil e reencontra os pais em SC



Após 17 dias de detenção em uma penitenciária chinesa, a modelo gaúcha Amanda Griza retornou ao Brasil nesta segunda-feira (26). Ela foi detida sob a acusação de trabalhar ilegalmente na China, pois entrou com visto de negócios naquele país. Segundo o pai, Edson Griza, eles exigiram um visto de trabalho específico para a função. A jovem chegou a Santa Catarina, onde a família vive, por volta das 21h30 e foi recepcionada em Florianópolis pelos pais, avós paternos, sobrinha, tia amigos e a madrinha.

Amanda não segurou a emoção ao reencontrar os pais. Ao lado de Edson e Helena Griza, ela desabafou e contou breviamente como foram os 17 dias de prisão. Segundo a jovem, ela ficou em uma cela onde permaneciam entre 10 e 14 detentas. "Sempre entrava e saía pessoas", relembrou.

Segundo ela, depois de ter assinado alguns documentos foi transferida para a penitenciária do país. Os policiais do local tentaram queimar as modelos com cigarro e algumas foram agredidas. No total eram 31 jovens de várias nacionalidades. Antes da chegada a Florianópolis, o pai já havia adiantado que a jovem passou dois dias sem dormir e sem comer até ser transferida para uma penitenciária.

“Foram dois meses e meio de trabalho maravilhosos. Fiz amigos para o resto da vida e não me arrependo de nada. E depois vivi esse pesadelo de ser presa e não saber quando ia sair”, garante Amanda.

Quando questionada se continuará a ser modelo, a gaúcha se mostrou em dúvida. Ela diz ainda não saber o que fazer. Segundo a jovem, esta é uma profissão que "ama muito", mas não tem certeza, no momento, se permanecerá na carreira.

Fonte: G1
Foto: Reprodução
Página anterior Próxima página