Notícia: Após mais de 7h, sequestrador se entrega e liberta refém em hotel no DF

Após mais de 7h, sequestrador se entrega e liberta refém em hotel no DF



O sequestrador que invadiu o hotel Saint Peter no centro de Brasília e manteve um funcionário como refém no 13º andar do prédio por mais de sete horas nesta segunda-feira (29) se entregou por volta das 16h, segundo a polícia. Ele foi levado à 5ª Delegacia de Polícia, na Asa Norte.

O refém deixou o hotel em um carro de polícia e passou despercebido por hóspedes e curiosos que acompanhavam o caso na rua em frente. Segundo a corporação, o funcionário foi direto para casa acompanhado da esposa. Ele estava calmo e não precisou de atendimento médico.

De acordo com a polícia, a arma e os cilindros amarrados à cintura do refém não continham material explosivo.
Segundo o comandante do Esquadrão de Bombas da Polícia Militar do Distrito Federal, capitão Lúcio Flávio Teixeira Júnior, o material era composto por canos de PVC recheados com massa epoxi, serragem e terra.

"Medida desenfreada"
O advogado do autor do sequestro, Carlos André Nascimento, chegou à delegacia por volta das 18h30. Segundo ele, o cliente classificou o ato como uma "medida desenfreada" para "chamar a atenção da imprensa".

Nascimento disse que o sequestrador tem problemas psicológicos e que, segundo a família, tentou suicídio há poucos dias. O advogado acompanha o caso desde as 12h desta segunda-feira (29), acionado por familiares do autor.
Ainda segundo Nascimento, o preso será transferido para o Departamento de Polícia Especializada (DPE) porque a polícia teme nova tentativa de suicídio. Até as 18h40, a polícia não tinha se pronunciado sobre a transferência.

Um helicóptero da Polícia Civil sobrevoava o hotel no momento em que as negociações terminaram. Segundo o delegado Paulo Henrique Almeida, da Divisão de Comunicação da Polícia Civil, o homem solicitou uma bandeira do Brasil para usar sobre os ombros no momento da rendição, mas se entregou com medo de ser alvejado pelos policiais. "Ele percebeu que a única saída era a rendição. Graças a Deus a vítima está bem", diz Almeida

O homem pode responder por cárcere privado, cuja pena é de um a três anos de reclusão. Dependendo do resultado da perícia, ele pode ser indiciado por outros crimes.

O autor do sequestro tinha expressado exigências políticas – renúncia de Dilma Rousseff, extradição de Cesare Battisti e o que chamou de "aplicação efetiva da Lei da Ficha Limpa", sob ameaça de detonar os explosivos. O delegado Almeida manteve sigilo sobre o prazo dado pelo sequestrador, mas informou que seria inferior a seis horas.

Fonte: G1
Foto: Polícia Civil / Divulgação
Página anterior Próxima página