Notícia: PF indicia executivos de quatro empresas investigadas na Lava Jato

PF indicia executivos de quatro empresas investigadas na Lava Jato



A Polícia Federal (PF) indiciou executivos de, pelo menos, quatro empreiteiras investigadas no âmbito da Operação Lava Jato, que apura, entre outros temas, desvios de dinheiro e superfaturamento de obras da estatal. As companhias investigadas possuem contratos de obras com a companhia. De acordo com a PF, as investigações apontam que ex-diretores da Petrobras também participaram do esquema. Ao todo, são 13 pessoas que foram indiciadas pela PF, incluindo os executivos e o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano.

As empresas que tiveram executivos indiciados foram a OAS, Galvão Engenharia e Queiroz Galvão. De acordo com a Polícia Federal, há indícios de que eles possam ter cometido crimes como fraude a licitações, falsidade ideológica e corrupção ativa.
Na OAS, os executivos indiciados foram José Aldemário Pinheiro Filho, José Ricardo Nogueira Berghirolli, Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Mateus Coutinho de Sá Oliveira e Alexandre Portela Barbosa. Pinheiro Filho é o presidente da empresa, Oliveira é vice-presidente do conselho da companhia e Medeiros é diretor da construtora.

Na Galvão Engenharia, aparecem os nomes de Erton Medeiros Fonseca, diretor-presidente de engenharia industrial da companhia.
Na Queiroz Galvão, aparecem o nome de Othon Zanoide de Moraes Filho e Ildefonso Colares Filho. Othon é diretor-geral de desenvolvimento comercial da Vital Engenharia, empresa que faz parte do Grupo Queiroz Galvão e Ildefonso é diretor-presidente da Queiroz Galvão.

Na Mendes Júnior, a PF indiciou os executivos Sérgio Cunha Mendes, Angelo Alves Mendes, Flávio Sá Motta Pinheiro e Rogério Cunha de Oliveira. Sérgio Mendes é vice-presidente-executivo da companhia.
Os policiais pedem ainda que os executivos sejam enquadrados pelos crimes de uso de documento falso e lavagem de dinheiro. As acusações policiais são as mesmas para todos os funcionários suspeitos envolvidos nas investigações.
Contra Fernando Baiano, os policiais encontraram indícios de lavagem de dinheiro, participação em organização criminosa, corrupção passiva e corrupção ativa.

O advogado Eduardo Ferrão, que representa os executivos da OAS foi procurado pela reportagem. Ele disse que ainda não tinha tomado conhecimento do conteúdo da denúncia e que, por isso, não iria se manifestar por enquanto.
A Galvão Engenharia informou em nota que não vai comentar o indiciamento de Erton Medeiros. O advogado Mário de Oliveira Filho, que representa Fernando Baiano, disse que ainda não tinha sido informado sobre o indiciamento e que, por isso, não poderia se manifestar.

Fonte: G1
Foto: A/D - Arquivo OpenBrasil.org
Página anterior Próxima página