Notícia: 'Era fácil', diz delator sobre repasse de propinas a diretores da Petrobras

'Era fácil', diz delator sobre repasse de propinas a diretores da Petrobras



O vice-presidente da empreiteira Camargo Corrêa, Eduardo Hermelino Leite, afirmou ao Ministério Público Federal (MPF) que "era fácil" inserir o valor das propinas pagas a diretores da Petrobras nos contratos firmados entre as duas empresas. O depoimento faz parte do acordo de delação premiada firmado pelo executivo, divulgado na sexta-feira (17).

"Era fácil, porque, em primeiro lugar, os volumes dos contratos junto à Petrobras eram significativos, de muitos milhões ou bilhões de reais", disse o vice-presidente em depoimento.

Além disso, Leite afirmou que a inclusão da propina nas propostas apresentadas pela empreiteira para licitações era possível "por conta da má qualidade dos contratos" da Petrobras. Isso gerava discussões de sobrecustos que as obras exigiriam, nos quais eram incluídos os valores de propina.

Conforme o delator, a estatal aceitava variação de até 20% a mais no valor previsto para a realização das obras. Desta forma, o 1% que era destinado à propina se tornava "insignificante".

Este percentual de 1% do valor contratado destinado à propina, de acordo com o depoimento, valia tanto para a Diretoria de Abastecimento como para a Diretoria de Serviços. Eles eram descritos nos documentos oficiais como reservas para riscos financeiros, como variação de preços dos materiais, atrasos de pagamentos ou possíveis greves.

Eduardo Leite exemplificou que, se o custo de certo equipamento era de R$ 1 mil, seria previsto um adicional de 1% referente aos riscos financeiros citados. Isso elevaria o orçamento para R$ 1.010, e era deste adicional que o valor da propina era retirado.

Fonte: G1
Foto: Divulgação
Página anterior Próxima página