Notícia: Juiz diz que Vaccari usava gráfica para receber propina destinada ao PT

Juiz diz que Vaccari usava gráfica para receber propina destinada ao PT



O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na Justiça Federal, escreveu no despacho de prisão de João Vaccari Neto que o tesoureiro do PT determinou que parte das propinas no esquema de corrupção na Petrobras fosse paga a uma gráfica sediada em São Paulo. Moro escreveu ainda que, segundo levantamento efetuado pelo Ministério Público Federal, "há ligações entre a Editora Gráfica Atitude e o Partido dos Trabalhadores, o que pode explicar a solicitação de João Vaccari da realização de repasses para a referida empresa".

Na decisão, Moro cita depoimento de Augusto Ribeiro, dirigente da SOG/Setal, segundo quem Vaccari era um dos operadores da propina que empreiteiras pagavam no esquema de corrupção dentro da Petrobras. Segundo o depoimento citado por Moro, Ribeiro afirma que parte da propina era paga "mediante doações oficiais ao Partido dos Trabalhadores, realizadas a pedido de Renato Duque [ex-diretor de Serviços da Petrobras] e intermediadas por João Vaccari Neto".

No depoimento de Ribeiro, ele afirmou ainda que foi orientado por Duque a "algumas vezes" conversar com Vaccari "para acertar a realização de doações oficiais". Ainda segundo a fala do executivo, "em pelo menos três oportunidades" o tesoureiro pediu a Ribeiro que "ao invés da realização de doações ao Partido dos Trabalhadores, contribuísse com pagamentos a Editora Gráfica Atitude, sediada em São Paulo (SP)".

De acordo com o depoimento do executivo da SOG/Setal, Vaccari solicitou que fossem efetuadas "tais contribuições ao Partido dos Trabalhadores mediante pagamentos a Editora Gráfica Atitude, cada uma delas nos anos de 2010, 2011 e 2013".

No total, segundo Ribeiro, foram pagos à gráfica R$ 2,5 milhões. Ele disse ainda que para justificar os pagamentos, foram celebrados contratos de prestação de serviços entre suas empresas e a gráfica. Segundo Ribeiro, Vaccari disse que os pagamentos seriam para veiculação de propagandas em revista da Editora Gráfica Atitude. No entanto, Ribeiro afirmou no depoimento que "não possuía qualquer interesse comercial em publicar anúncios na revista, tendo efetuado os pagamentos apenas ante ao pedido de João Vaccari e ao fato de que eles seriam baixados dos valores de vantagens indevidas prometidas a Diretoria de Serviços".

Ribeiro afirmou ainda que não sabe se as propagandas forams veiculadas, mas que "com certeza", se "de fato foram feitos anúncios", eles não custariam mais de R$ 2 milhões.
Na decisão que baseou a prisão do tesoureiro, Moro escreveu que "os recursos criminosos teriam sido utilizados não só para a realização de doações registradas ao Partido dos Trabalhadores, mas também para a realização de pagamentos por serviços, total ou em parte, simulados pela referida Editora Gráfica Atitude, isso por indicação de João Vaccari Neto".

Fonte: G1
Foto: A/D
Página anterior Próxima página