Notícia: Sul-coreanas protestam contra acordo com Japão sobre prostituição

Sul-coreanas protestam contra acordo com Japão sobre prostituição



Centenas de manifestantes sul-coreanas se uniram nesta quarta-feira (30) a duas mulheres forçadas à prostituição pelo Exército japonês durante a ocupação da Coreia.

O grupo protesta contra o acordo firmado entre os dois países na segunda-feira - o Japão se comprometeu a dar 1 bilhão de ienes para um fundo de compensação às mulheres da Coreia do Sul submetidas à escravidão sexual pelo exército japonês. Os abusos ocorreram durante a Segunda Guerra Mundial.

As duas "mulheres de conforto", um eufemismo usado para denominar as mulheres forçadas a trabalhar em bordéis militares japoneses, criticaram o governo por ter concordado com o Japão em colocar um ponto final na questão, de modo “irreversível”.

"Não se pode confiar no governo", disse uma das mulheres, Lee Yong-su, de 88 anos.
Yong-su declarou que ela e outras sobreviventes não foram consultadas pelas autoridades que negociaram o acordo. "Vamos continuar a lutar até o final", disse.

Ela e os outros manifestantes, incluindo estudantes, parlamentares da oposição e ativistas cívicos, estão exigindo um sincero pedido de desculpas do Japão e a compensação formal para as vítimas.

"Nós não fizemos nada de errado", disse Yong-su. "O Japão nos levou a ser mulheres de conforto e ainda tenta negar seu crime."

Pelo acordo, o Japão estabelecerá um fundo para ajudar vítimas sobreviventes, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, renovou um pedido de desculpas. Os Estados Unidos, que desejam ver seus aliados asiáticos manterem relações melhores, elogiaram o acordo.

Nesta quarta-feira, os manifestantes se espalharam pela rua diante da embaixada do Japão em Seul e se concentraram em torno de uma estátua de bronze de uma adolescente descalça, simbolizando as mulheres obrigadas a se prostituírem nos bordéis japoneses.

Fonte: G1
Foto: Kim Hong-Ji/Reuters
Página anterior Próxima página