Notícia: Casa onde aconteceu estupro coletivo no Rio terá nova perícia

Casa onde aconteceu estupro coletivo no Rio terá nova perícia



Uma nova perícia será feita, na manhã desta quinta-feira (9), na primeira casa onde a adolescente de 16 anos foi levada na noite do estupro coletivo, na Praça Seca, Zona Oeste do Rio.

O jogador Lucas Perdomo teria sido chamado para acompanhar a delegada na perícia, mas ele teria se sentido inseguro de subir a comunidade.

A delegada da Delegacia Da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), Cristiana Bento, responsável pelo caso, disse que irá ouvir a adolescente novamente, mas ainda não há confirmação da data para o novo depoimento. Ela será ouvida por videoconferência, já que está sob o programa de proteção do estado. A informação foi confirmada pela delegada Cristiana Bento, da Dcav. Ela quer esclarecer com a vítima novos fatos que apareceram durante as investigações.

Ameaçada por pessoas ligadas ao tráfico de drogas na região onde aconteceu o estupro coletivo e até por pessoas de fora do estado do Rio, a menor entrou no Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes ameaçados de Morte (PPCAM), executado pela Secretaria de Direitos Humanos do Estado do RJ. A adolescente já saiu de casa e está em um local que não foi divulgado. A Secretaria de Direitos Humanos do Rio não descartava a mudança dela para outro estado e até uma eventual mudança de nome.

Inocência de jogador não está definida
Nesta quarta-feira (8), a delegada afirmou que a inocência de Lucas Perdomo, não está completamente definida. Em seu segundo depoimento sobre o caso do estupro coletivo de uma menor de 16 anos em uma comunidade na Zona Oeste do Rio, Lucas teria dito que não sabia da existência de um segundo vídeo de estupro que foi encontrado no celular de Raí de Souza, que está preso sob suspeita do crime.

"Totalmente não", disse a delegada sobre descartar a participação de Lucas no crime.
Cristiana Bento acrescentando ainda que a Polícia Civil deve fazer mais diligências na primeira casa utilizada para as sessões de sexo entre Raí de Souza, Lucas Perdomo, a vítima e uma outra jovem.

Novo depoimento
O jogador de futebol Lucas Perdomo chegou por volta das 10h50, desta quarta-feira (8), na DCAV, para prestar um novo depoimento. Segundo a advogada do jogador de futebol, Renata Barcellos, são novos esclarecimentos para um complemento das investigações, já que, a cada hora, surgem novos indícios na investigação.

Após quase uma hora e meia na DCAV, o jogador saiu por volta das 12h30 sem falar com os jornalistas. Silvio Cesar Duarte, pai do jogador, disse que eles receberam uma ligação pedindo para que o rapaz comparecesse na delegacia nesta manhã, mas não sabe exatamente para que. "A pessoa que não deve nada tem que estar tranquila sempre", afirmou o pai do rapaz ao chegar na delegacia na manhã desta quarta.

Lucas chegou a ser preso e levado para o presídio de Bangu na semana passada, mas foi liberado na sexta (3) por falta de provas de que ele tivesse participado do estupro coletivo da menina. O resultado da perícia feita no celular de Raí de Souza, um dos presos acusados de cometer um estupro coletivo, revelou que havia quatro homens na cena do crime — e não três, como suspeitava a Polícia Civil do Rio. O laudo aponta para quatro vozes masculinas no local.

A perícia foi realizada no vídeo que foi divulgado em redes sociais, o primeiro. Depois, novas imagens foram descobertas e confirmaram que a adolescente foi violentada, exibido em primeira mão pelo Fantástico. Ainda de acordo com o laudo, o aparelho celular passou na mão de duas pessoas que estavam na cena do crime.

Segundo a polícia, a suspeita é de que estivessem no local: Raí de Souza (já preso), Raphael Duarte Bello (já preso) e Jefinho (foragido). O quarto homem pode ser o traficante Moisés Lucena, conhecido como Canário, já que ele foi reconhecido pela jovem.

Atualmente preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste, Raí disse inicialmente para a polícia que tinha destruído seu celular onde foi gravado o vídeo da menor estuprada nua, sendo tocada por um homem, com vozes de outros suspeitos ao fundo. Com a recuperação do aparelho, na sexta-feira (3), os agentes descobriram um segundo vídeo do estupro coletivo, durante o qual a menor tenta inclusive resistir às agressões.

Os investigadores chegaram ao aparelho ao descobrirem que um dos amigos de Raí tinha uma foto com o jogador de futebol Lucas Perdomo, solto na sexta-feira por falta de provas, e Raí, com as mesmas roupas com as quais ambos foram presos no último dia 30 de maio.
No áudio do vídeo, Raí e Raphael insinuam que mais de 30 homens participaram do crime. A polícia acredita que este número possa não ser real. Os 30 seriam uma referência a um funk famoso na região, de MC Smith.

Suspeitos presos
Raí e Raphael estão presos no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. Ao todo, cinco suspeitos estão foragidos. “Eles vão responder pelos dois crimes. Pelo estupro e pela produção e divulgação de imagem de criança e adolescente. Que seja uma pena exemplar para mostrar para a comunidade que existe lei e que a lei quem faz é o Estado”, contou Cristiana Bento.

Fonte: G1
Foto: Divulgação/ Polícia Civil
Página anterior Próxima página